Veja todas as notícias do CEMIB

segunda-feira, 06/08/2018   Por Inaê Miranda

CEMIB promove ciclo de palestras de atualização para servidores

A iniciativa tem como objetivo fomentar a atualização e a troca de conhecimento entre as diferentes áreas
O Centro Multidisciplinar para Investigação Biológica na Área da Ciência em Animais de Laboratório (CEMIB) promoveu na manhã desta sexta-feira (3/8) o primeiro ciclo de palestras de atualização dos servidores técnicos. Os temas foram apresentados a partir das novidades trazidas do 15º Congresso da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), do 4º Encontro Latino Americano de Ciência em Animais de Laboratório e da Reunião Anual do International Council on Laboratory Animal Science (ICLAS). Os três eventos foram realizados na capital goiana, de 16 a 19 de junho, e contaram com a participação de 18 servidores do Centro de Campinas, que agora compartilham o aprendizado com os seus pares. O próximo debate já tem data marcada para o dia 10 de agosto.

As palestras evidenciam o esforço do CEMIB em possibilitar que além das equipes especializadas os próprios técnicos e profissionais da instituição possam atuar como multiplicadores do conhecimento. Essa foi inclusive uma das contrapartidas do apoio oferecido pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para que os colaboradores pudessem participar do evento em Goiânia. A iniciativa também estimula a construção do diálogo e a conexão entre as diferentes áreas do Centro de Bioterismo da Unicamp, ou seja, a integração entre equipes, pesquisadores e técnicos.

Compartilhando as informações sobre refinamento e meios práticos de implementação apresentadas em palestra proferida pesquisadora Dra. Judy MacArthur Clark, da Inglaterra, as técnicas Jhenifer Alves e Maria Rita Silveira ressaltaram os “3R’s” como métodos que evitam ou substituem o uso de animais na experimentação, além da possibilidade de redução do número de animais sem que haja prejuízos na qualidade do experimento. A dupla também abordou a importância de se adotar métodos que minimizam o sofrimento e melhoram o bem-estar animal, incluindo as novas tecnologias, melhora no manejo, uso de técnicas menos invasivas, protocolos bem definidos de anestesia, analgesia, e uso de anti-inflamatórios capazes de reduzir a dor, angústia e o sofrimento.

As perspectivas em enriquecimento ambiental, apresentadas pela pesquisadora americana Cynthia Pekow no Congresso Internacional, foi um dos temas apontados pelos técnicos Elson André da Silva e Alda José Antônio como necessários à manutenção do bem-estar dos animais de laboratório. Estudos científicos e as próprias observações feitas pelos profissionais do CEMIB durante a rotina de trabalho indicam que o excesso ou a falta de enriquecimento no espaço podem ser fatores geradores de estresse para o animal. Se por um lado o enriquecimento do espaço pode aumentar a reprodutibilidade de fêmeas, por exemplo, por outro lado, o espaço apertado pode dificultar a locomoção e o preparo do ninho.

Tema de uma das palestras da pesquisadora americana Ann Turner, em Goiânia, “O animal mais importante no laboratório – o homem”, foi debatido pelos técnicos Joel Alberto Prezzi e Jéssica Maria Inácio. A lógica é: quem cuida, também precisa de cuidado. O debate chama a atenção para o quanto o estado físico e emocional de um bioterista pode refletir no bem-estar do animal durante o manejo. Daí a importância de se fomentar a prática de atividade física e de hobbys, pois não apenas melhoram a qualidade de vida dos funcionários, mas também refletem na execução do trabalho junto aos animais de pesquisa.

Integrante da equipe de criopreservação, o técnico Alex Vinícius de Campos abordou as estratégias para a prevenção e melhora do bem-estar animal, o que inclui os programas de treinamento e educação continuada nos centros de bioterismo, a importância do trabalho executado pelos comitês de ética e os programas de cuidado veterinário. A conclusão do debate é que o planejamento de rotinas, eficiência e a comunicação entre as áreas tendem a trazer bons resultados. Outro tema necessário e de suma importância apresentado no primeiro ciclo de palestras foi a eutanásia humanizada. Técnica do laboratório de genética, Ana Paula Gimenes levou os casos em que há a indicação, os métodos utilizados (químicos, físicos) adequados à idade e à espécie, e a necessidade de humanização no processo de eliminação.


LEIA TAMBÉM: