Documentário 'Filhos de Ruanda'
terá exibição na Unicamp

Evento organizado pela Cocen em parceria com a Cátedra dos Refugiados será realizado no dia 11 de setembro, às 14h30, no auditório da Educorp


Por Marcos Rogério Pereira
25/08/2017

Um novo olhar sobre um país que viveu e superou um genocídio é o mote de "Filhos de Ruanda", documentário da GloboNews dirigido pela jornalista Ana Terra Athayde. Ela percorreu Kigali, capital de Ruanda, durante uma semana, para registrar imagens e relatos de jovens que cresceram enquanto suas famílias e o país se recuperavam do massacre de 1994, que deixou mais de 800 mil mortos. São histórias que carregam as marcas do genocídio, mas que revelam uma nova Ruanda. Assista a um trecho de "Filhos de Ruanda".

O documentário será exibido no dia 11 de setembro, às 14h30, no auditório da Educorp, na Unicamp. A exibição será seguida de um debate com a diretora, produtora e roteirista do filme, Ana Terra Athayde; com a pesquisadora de cinema, professora e curadora, Lúcia Ramos Monteiro (ECA-USP); e com a historiadora, documentarista e pesquisadora, Ana Carolina de Moura Delfim Maciel (Cocen-Unicamp).

A ideia de trazer o documentário sobre a juventude pós-genocídio de Ruanda para a Unicamp, seguido de um debate, foi proposta pelo reitor Marcelo Knobel, no âmbito da Coordenadoria de Centros e Nucleos Interdisciplinares de Pesquisa em parceria com a Cátedra dos Refugiados.

- Ruanda é hoje um país de jovens, com quase 80% da população abaixo dos 35 anos. Conhecer as histórias deles ajuda a compreender o impressionante processo de reconciliação que ocorreu após o genocídio de 1994. Em Kigali, estudantes, artistas plásticos e empreendedores procuram construir uma nova narrativa sobre Ruanda, país que ainda enfrenta muitos problemas, mas que surpreende, explica a diretora.

Em um filme de 45 minutos, com os personagens em seus ambientes cotidianos, Ana Terra Athayde deixa seus entrevistados falarem e, a partir dos relatos intimistas, mostra diversas iniciativas que têm feito o país caminhar com a esperança de um futuro mais colorido, como o depoimento de Serge Nors, 21 anos, um dos personagens do documentário. São jovens que defendem a paz entre as etnias afirmando-se como "simplesmente ruandenses".

"Quando as pessoas vêm a Ruanda, elas pensam que os ruandeses, especialmente os mais jovens, se sentem um pouco perturbados por conta do que aconteceu aqui. Elas só pensam no genocídio. Elas pensam que você é diferente das outras pessoas, talvez porque você tenha toda essa história, porque seus pais talvez tenham participado do genocídio. Quando as pessoas vêm a Ruanda, elas se surpreendem ao ver que viramos esta página sombria de nossa história", conta Serge Nors, 21 anos, um dos personagens do documentário.

A cidade

Kigali é a capital e a maior cidade de Ruanda. Tem 859.332 habitantes (estimativa de 2012) e fica localizada no centro do país. Sua economia é baseada principalmente no comércio, mas também abriga indústrias que processam estanho e alimentos, além de fábricas de sapatos, tecidos e produtos químicos.

No início do século XX, Kigali fazia parte das colônias da Alemanha na África oriental. Em 1921, a Bélgica passou a dominar a região. Em 1962, Ruanda tornou-se independente, tendo como capital Kigali. Os dois principais grupos étnicos de Ruanda, os hutus e os tútsis, têm uma longa história de conflitos.

A diretora

Ana Terra Athayde é jornalista e vive no Rio de Janeiro. Ela produz, filma e edita reportagens para veículos internacionais como Guardian, BBC e CNN. De 2014 a 2015, Ana fez parte da equipe de vídeo do Guardian nos Estados Unidos e percorreu o país para produzir reportagens sobre política, cultura e direitos humanos. Ela possui mestrado pela Columbia Journalism School, de Nova York. Como editora de texto da GloboNews, de 2009 a 2013, Ana recebeu três prêmios nacionais pelo trabalho na série Juízes Ameaçados. Conheça o trabalho da jornalista Ana Terra Athayde

Lúcia Ramos Monteiro

Lúcia Ramos Monteiro é doutora em cinema pelas universidades Sorbonne Nouvelle Paris 3 e Universidade de São Paulo. Ela realiza atualmente um pós-doutorado na Escola de Comunicações e Artes da USP, com financiamento da Fapesp, com pesquisa sobre "Narrativas de dissolução e problemas contemporâneos para o conceito de cinema nacional". Foi professora visitante da Universidad de las Artes (Guayaquil, Equador), professora assistente do curso de cinema da Sorbonne Nouvelle (Paris, França), e deu aulas para a pós-graduação na ECA-USP. Como curadora, realizou ciclos de cinema em diversas cidades (Paris, Genebra, Lausanne, São Paulo, Rio de Janeiro), dentre as quais destacam-se a mostra África(s). Cinema e Revolução (Caixa Belas Artes, 2016) e A Caliwood de Luis Ospina (Caixa Cultural do Rio de Janeiro, 2017).

Ana Carolina Delfim de Moura Maciel

Coordenadora de Centros e Núcleos Interdisciplinares de Pesquisa da Unicamp. Pesquisadora do Centro de Memória da Unicamp, pesquisadora colaboradora do Departamento de História – Unicamp. Atualmente preside a Associação Brasileira de História Oral. Fez pós-doutorado no Museu Paulista da USP, no âmbito do qual desenvolveu pesquisa no Centre de Recherches Historiques da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris, 2012). Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (2008) com doutoramento sanduíche no Centre de Recherches Historiques da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris, 2006). Mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (2000) e bacharel em História pela mesma universidade (1994). É autora do livro "Yes nós temos bananas. Cinema industrial paulista: a Companhia Cinematográfica Vera Cruz, atrizes de cinema e Eliane Lage. Brasil, anos 1950" (Alameda Editorial, 2011), além de capítulos de livros e artigos sobre historiografia e audiovisual, memória, biografia e cultura material. Atua como diretora de filmes documentários.

Ficha técnica

Filhos de Ruanda
Gênero: documentário
Duração: 45 minutos
Roteiro e direção: Ana Terra Athayde
Edição e finalização: Renata Baldi
Produção e imagens: Ana Terra Athayde
Trilha sonora original: Marion Lemonnier
Arte: Rafael Escobar
Produção executiva: GloboNews

Serviço

Filhos de Ruanda
Segunda-feira, 11 de setembro, às 14h30
Auditório da Educorp – Rua Saturnino de Brito, nº 323, 1º andar, em frente do Restaurante da Saturnino (RS).